sábado, 26 de março de 2011

INTOXICAÇÃO POR FORMOL!!

Artigo elaborado com base nas referências citadas,
pelos alunos Camila Lunardelli, Luciana Schulz
e Tandara Bocca,do Curso de Farmácia da
Universidade Positivo.


ARTIGO SOBRE IMPACTO ECONÔMICO

Intoxicação por Formaldeído – Morte de dona de casa após fazer escova progressiva

            A dona de casa Maria Eni da Silva, de 33 anos, residente da cidade de Porangatu (GO), morre por intoxicação após fazer escova progressiva em salão de sua cidade. Maria Eni recebeu uma mistura de cremes e formol, os quais foram aplicados sobre seus cabelos, segundo recomendação permaneceu com o produto por três dias.¹
            Segundo relatos de familiares, Maria Eni começou a passar mal na primeira noite em contato com o produto, reclamando de dores de cabeça, enjôo e coceira no couro cabeludo. Foi levada ao Hospital Municipal de Porangatu, sendo diagnosticada com uma intoxicação, recebendo medicação e posteriormente mandada para casa.¹
            Em casa, após tomar um copo de leite, a dona de casa entrou em choque anafilático. Foi novamente levada ao hospital, chegando com parada cardiorrespiratória. Segundo o médico que a atendeu, não havia mais nada a se fazer. De acordo com a polícia, a proprietária do salão onde a dona de casa fez o tratamento afirmou que não usou formol na mistura de cremes usada pela vítima.¹
A mistura de formol com cremes é bastante usada em salões de beleza de Goiânia. O cheiro forte do formol, que é tóxico quando inalado ou ingerido, costuma ser atenuado com o uso de cremes e essências. A dosagem, no entanto, tem de ser controlada. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proíbe o uso de formol acima de 0,2% da mistura no processo de alisamento de cabelos. Segundo a polícia de Porangatu, informações não oficiais indicam que o tratamento de Eni pode ter envolvido uma mistura com mais de 20% de formol.²
A Associação Nacional de Vigilância Sanitária deixa claro que não existem produtos autorizados por ela para o alisamento por escova progressiva e que o formol, um dos componentes utilizados pelos fabricantes, é altamente tóxico. Acontece que, na dosagem permitida de 0,2%, o cabelo não alisa. Logo, os produtos para a escova progressiva contêm muito mais formol do que o permitido. Em geral, os cabeleireiros admitem usar misturas com 2 a 4% da substância, mas eles podem estar ultrapassando ainda mais o limite, já que não sabem a quantidade exata contida nas fórmulas clandestinas. Há também, fabricantes que exibem registro falso. Ainda pior, muitos profissionais de salão de beleza fazem as próprias formulações.²
As conseqüências associadas ao uso de formol são de irritação nos olhos, nas narinas, dor de cabeça, queda de cabelo, feridas no couro cabeludo, intoxicação e problemas respiratórios. Se a pessoa se expuser com freqüência, os riscos aumentam, incluindo lesão na córnea, coma e morte.²

Informações toxicológicas:
- Toxicidade aguda:
DL50 Oral em ratos: 100mg/Kg (HSDB, 2006).
DL50 Dérmica em coelhos: 270mg/Kg (HSDB, 2006).
CL50 Inalatória em ratos: 0,578mg/L/4hs (HSDB, 2006).³
Efeitos específicos:
Via Respiratória – Os vapores são altamente irritantes da mucosa do aparelho respiratório. Em alta concentração ou por exposição prolongada provocam: tosse, crise asmática, laringite, rouquidão, bronquite, bronco pneumonia, edema pulmonar, podendo haver complicação e levar à morte.³
- Toxicidade crônica:
Carcinogenicidade: O formaldeído é classificado como provável agente carcinogênico pela via inalatória. (IARC, 1995).³

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS


(Publicado por: Camila Lunardelli, Luciana Shculz e Tandara Bocca)

Nenhum comentário:

Postar um comentário